sábado, 28 de dezembro de 2013

O rebaixamento pode ser a salvação de um time. Ou ainda: Quando um benefício momentâneo pode se tornar um malefício duradouro.

Tudo bem que criamos esse blog para falar de temas contábeis, econômicos e administrativos. Porém, cremos ser uma boa idéia comentar os fatos relativos ao final do Campeonato Brasileiro, uma vez que, tratando um clube de futebol como empresa, da forma como realmente deveriam todos ser tratados, podemos chegar a conclusões interessantes.
Como todos sabem, o STJD negou o recurso que poderia reverter a decisão anterior, mantendo a Portuguesa na Série A e voltando o Fluminense a condição anterior, de rebaixado. Não convém ficar aqui debatendo a moralidade da decisão e outras questões jurídicas, quero apenas falar da situação da instituição Fluminense Football Club, sob uma ótica empresarial, como já disse.
Para começar, o óbvio: é péssimo um time grande ser rebaixado... Seria algo como uma empresa pedir falência. Todos se decepcionam, todos se sentem fracassados. Mas há algo que torna o clube de futebol muito mais blindado a essa situação que a empresa: o clube tem torcedores, não apenas clientes. Mesmo que o clube trate (corretamente) o torcedor como cliente, como uma fonte de receita, este não é um cliente normal, uma vez que não abandonará o clube por causa da queda para a série B. Um cliente fiel abandona uma empresa por causa de uma denuncia de qualquer... O torcedor não abandona, muito menos muda de clube, jamais.
E aqui chegamos no ponto controverso: A queda para a série B só faz bem para um clube! Ou pelo menos deveria... Fora as questões relativas a raiva da torcida no momento da queda, o fato é que os clubes grandes deveriam aproveitar essa aparente desgraça! Vamos aos fatos:
1-      Quando um clube grande cai, sua principal fonte de receita, que é o dinheiro recebido da Globo pelos direitos de transmissão, não diminui! Os contratos que envolvem clubes grandes dizem que, havendo queda, a Globo pagará aos clubes, mesmo jogando a Série B, o mesmo montante que pagaria na Série A! Esse montante só diminui (em 25%) caso o clube não conquiste o acesso já no primeiro ano;
2-      Retomando a questão da fidelidade do torcedor, se o clube fizer um bom trabalho de Marketing, pode angariar uma boa receita com a adesão de novos sócios à programas de Sócio Torcedor. Afinal, é nessa situação que o sentimento do torcedor aflora. Analisando friamente, é melhor uma queda à série B que um período de anos com campanhas mornas. É o fato: no futebol brasileiro, vale apenas ser vencedor. Vejam o exemplo: Neste final de ano, o clube carioca que teve maior ganho de novos sócios foi o Vasco, que acabou rebaixado... Seguido do Fluminense, que também seria rebaixado... O Botafogo, que se classificou para a Libertadores 2015, ficou no zero, enquanto o Flamengo, maior torcida do Brasil e atual campeão da Copa do Brasil, perdeu mais sócios que ganhou.
3-      Vejamos o Corinthians! Sinceramente, onde podemos encontrar um exemplo como esse? São raras as instituições que chegaram ao fundo de poço e, logo depois, alcançaram o topo em suas atividades. O exemplo desse time é o mesmo do Ronaldo Fenômeno: Caiu, levantou, caiu de novo... E teve forças para chegar ao topo!
4-      Todo time grande que joga a série B acaba passando uma espécie de lua de mel com a torcida. Mais ou menos a mesmo situação de quando você briga com sua mulher e depois vem todas as benesses da reconciliação. O Vasco caiu e, na Série B, criou o bordão “O sentimento não pode parar”, que dura até hoje. O Galo encheu seus cofres com a campanha da volta à série A, chegando ao absurdo de lotar dois estádios no dia do último jogo... O Palmeiras também obteve grande receita com bilheterias...

Portanto, todo meu argumento se baseia no fato de que uma situação que se apresente ruim não é, necessariamente, algo negativo. Principalmente se estamos falando de uma empresa, é fato que uma queda pode representar uma chance para subir... Uma crise é a melhor oportunidade para crescer. Entenda isso Fluminense! Mesmo que alguns de seus torcedores comemorem a manutenção do time na série A, o fato é que vocês, além de perderem uma grande oportunidade de deixarem de ser dependentes da Patrocinadora, estão cavando a própria cova, uma vez que se tornam a ovelha negra do futebol brasileiro. Vocês são, hoje, o time que todos odeiam, quando poderiam ser mais um time grande a subir jogando a série B e aproveitando todas as benesses que isso proporciona! Que chance perderam hein?


Cristovam Ramos Neto

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Nosso país deixará o 3° Mundo quando nosso povo começar a agir como povo de 1° Mundo





Creio que a maioria das pessoas que usam a internet viram ou ficaram sabendo desses dois vídeos, mas assim mesmo farei um resumo: No primeiro uma senhora pobre, beneficiária do Bolsa Família, reclama que o valor mensal do benefício (que deveria ser voltado para a erradicação da fome e da pobreza extrema) não dava para comprar uma calça para a filha, já que a roupa custa 300 reais. No outro, um empresário esbanja toda a sua riqueza, mostrando sua Ferrari, seu gosto “refinado” e os limites que impõe a si mesmo quanto o assunto é o gasto em uma noite. Qual a relação entre eles? A relação entre eles é a seguinte: É o Brasil!
Nosso país é simplesmente a nação mais contraditória do planeta. E isso vem de séculos. Temos coisas e condições maravilhosas que andam de mãos dadas com coisas ridículas. Somos uma nação que, antes, conquistou a Independência sem uma guerra sangrenta, ao mesmo tempo que se tornou uma nação comandada pelo filho do rei que nos comandava anteriormente.  Agora, somos uma nação que deu ao mundo um fenômeno capitalista como Jorge Paulo Lemann, ao mesmo tempo que demos a esse mesmo mundo o Eike Batista, cuja carreira, hoje, em dia, nos permite dizer que sua maior conquista foi mesmo a Luma de Oliveira.
E qual é a grande contradição de hoje? Nossa contradição mais difundida, a nossa âncora, o nosso ponto do meio, aquele que não permite ir pra frente nem voltar atrás, é o Bolsa Família! Exato! Esse programa voltado para acabar com a fome e a miséria extrema simplesmente não funciona se pensarmos em termos de um futuro digno para a população em geral.
São vários pontos que confirmam essa afirmação. Podemos usar várias frentes de raciocínio para manter nosso argumento. Em primeiro lugar, podemos usar o raciocínio econômico: O Bolsa Família se resume a um repasse de dinheiro para uma determinada família que comprove ter baixa renda. Ok, bonito. Porém, onde esse dinheiro é gasto? O governo não liga. De fato, o pai de família pode pegar esse dinheiro  e gastar todo ele em um bordel qualquer. Ou ainda pode gastar comprando roupas para a filha, mesmo que uma calça jeans para uma moça de 16 anos custe mais de R$300,00. Perceberam a falta de esperteza? O governo não é capaz nem de solicitar uma nota fiscal que seja, algo que comprove que aquele dinheiro, de certa forma, entre novamente na economia. Nada disso... O importante é o cidadão receber o dinheiro....
Podemos também utilizar um aspecto psicológico para justificar nossos argumentos. Afinal, por que não lembrar daquele velho ensinamento que diz que é melhor ensinar um homem a pescar que dar-lhe um peixe? Há coisa mais verdadeira na sabedoria popular? Claro que não há! Inclusive, um ex-presidente da Republica, em plena campanha, criticou o presidente em exercício dizendo que esse tipo de benefício deixava o “caboclo” preguiçoso, sem vontade de plantar macaxeira... Perfeito!
E é neste ponto que as coisas ficam nebulosas para a nossa nação (incluindo aí as próprias pessoas que recebem o benefício).  Simplesmente dar uma grana para um cidadão comprar comida para a família não passar fome é uma medida, entendo, simplesmente emergencial. É algo que faz a fome ser amenizada no curto prazo, porém não é capaz de exterminá-la a longo prazo simplesmente por que não permite que o cidadão seja capaz de cuidar da própria família através do seu trabalho. Como já foi dito anteriormente, o “cabra” fica, sim, com preguiça de plantar macaxeira.
Isso é tão nefasto, tão injusto, que eu lhe convido a se colocar nessa situação... Já imaginou ser dependente de um cidadão que é dependente de esmolas do Estado? Já pensou não ser capaz de sustentar a própria família e acabar dependendo da boa vontade de políticos que não querem o seu bem estar, querem apenas o seu voto?
Insisto: Criamos uma geração dependente do Estado, sem vontade de crescer, sem vontade de oferecer o melhor pra si e para os seus. Eles contabilizam essa esmola do governo como algo obrigatório, o que mina sua vontade. Infelizmente, chegamos a um ponto em que isso simplesmente parece não ter volta.
E é por essas e outras que o crescimento do país é algo aleijado, é algo que acontece. Segundo nosso próprio ministro da Fazenda, Guido Mantega, o crescimento do país ocorre com as duas pernas mancas. E ele diz isso sabendo que está no comando da economia há quase uma década!
Portanto, não da para crer no país de forma macro, apenas de forma micro. Temos pessoas trabalhadoras, temos mentes diferenciadas... Podemos chegar longe. Se quer fazer algo pelo país, faça por você mesmo... Só assim você, e não a massa, guiará a nação rumo ao primeiro mundo.


Cristovam Ramos Neto

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

O PORQUÊ DO FELIPÃO SER O MELHOR TÉCNICO DO FUTEBOL NOS ÚLTIMOS ANOS.

GOVERNO OU GESTÃO? GOVERNAR OU GERIR? RESUMINDO: SER CHEFE OU SER LÍDER DA EQUIPE? Este blog é voltado para temas administrativos, temas empresariais... Exatamente por isso sempre evitarei menções políticas, futebolísticas muito menos. Mas, dessa vez, sou obrigado a publicar uma ótima entrevista que o senhor Antonio Anastasia concedeu para a revista VEJA... além disso, mostrarei, em poucas linhas, a relação entre isso e o melhor técnico de futebol dos últimos anos. Abaixo segue o link da entrevista: Vamos lá... Mas em primeiro lugar, já vou explicando: Mais uma vez, eu acabo escrevendo um texto cuja raiz é algo totalmente oposto ao senso comum... Antes falei que prezo mais a iniciativa privada que o funcionalismo público, da mesma forma que hoje prego que esse mesmo funcionalismo deve se basear em regras utilizadas na iniciativa privada... Tudo isso não se trata de uma questão ideológica, mas sim de uma questão capitalista, de uma questão de eficiência... Em todo e qualquer tipo de trabalho, o colaborador acaba baseando seu esforço em seus ganhos. Convenhamos... Pense em seu trabalho... Ganhar R$5000,00 por mês é bom, ótimo na verdade... Você recebe esse contracheque e fica tranqüilo, sabe que não tem metas, sabe que não será demitido... Eu sei que você já está imaginando o quanto isso seria prazeroso... Agora, vamos lá... Já imaginou ganhar o dobro disso? Já imaginou poder dobrar o seu salário apenas cumprindo metas, apenas dando o seu melhor, apenas buscando melhorar sempre? Bem melhor né? Agora, como fazer isso? É aqui que entra o tal do Felipão. É aqui que eu explico minha opinião de que ele é o melhor treinador dos últimos anos. O que eu disse há pouco sobre o prazer de dobrar os rendimentos mensais após alcançar certas metas só pode ser alcançado com uma boa liderança! Não adianta, por mais focado que você esteja, por mais disciplinado que você seja... Fazendo parte de uma equipe, a sua disposição e doação ao time é diretamente proporcional ao respeito e a admiração que você tem pelo chefe! Tanto isso é verdade que, desde a época das grandes guerras européias, os soldados sempre pregam que, no fundo, lutam mais é pelos seus comandantes que pela própria pátria. Pare pra pensar, e você vai ver o quanto é mais importante aquele que está ao seu lado. Felipão é o melhor treinador exatamente por isso: mesmo sendo natural a sua disposição a seguir o chefe, Felipão consegue exaltar ainda mais isso. Tanto isso é verdade que, na Copa de 2002, quando o Brasil foi campeão, dois dos grandes destaques da campanha eram jogadores desacreditados aqui no Brasil, que estavam passando por fases ruins: Marcos e Rivaldo. Antes mesmo da estréia da seleção, Felipão falou para ambos o seguinte: “Não importa o quão mal vocês joguem, ambos serão sempre meus titulares”. OLHE ISSO! Já imaginou receber esse tipo de confiança em meio a uma de suas piores fases profissionais? Portanto, é exatamente isso: o sucesso de uma equipe é a somatória de vontade pessoal com uma boa liderança. Se uma ou outra dessas situações falharem, o sucesso não vem. Agora, vamos e convenhamos: A mistura de funcionários sedentos pela vitória com um líder também sedento, mas além disso capaz de aglutinar toda a ambição da equipe ao seu redor... Aí temos a vitória apenas a dois passos de distância. Cristovam Ramos Neto

CPA 10 Conquistado...

Que venham as próximas barreiras para serem quebradas!

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Concurso público ou carreira na iniciativa privada? A resposta depende do que você quer para sua vida... E no fundo, também depende daquilo que você pensa sobre si mesmo.

Como sou uma pessoa sincera e direta, já respondo de cara: Iniciativa Privada. Ela dá de 10 a 0 na carreira pública. Simples assim. E lembre que eu já trabalhei na iniciativa privada, sai, fiquei um tempo desempregado e só voltei ao mercado por ter passado em um concurso público. Mas mesmo assim, ainda estou focado na busca pela carreira na economia de mercado. O serviço público tem vantagens que agradam, a meu ver, a grande maioria dos profissionais, quais sejam, estabilidade e tranqüilidade. Você não é demitido do serviço público, a não ser que seja um completo inapto a qualquer coisa... Ou um ladrão pego com a mão na massa. E também você fica numa posição tranqüila, afinal, na maioria dos casos, é possível ter faltas sem justificativas. A falta de cobrança e as eventuais facilidades são capazes de minar o ímpeto capitalista de qualquer um. Já na iniciativa privada, a pressão é constante. Conseguir determinado emprego não é uma finalidade apenas. É o começo de uma nova etapa, com mais desafios, mais pedras no caminho, mais alvos a alcançar. Não há sossego...como, de fato, não deveria haver na vida de nenhum tipo de profissional. Há uma comparação interessante que podemos fazer entre a iniciativa privada e o serviço público. Neste, em muitos casos, o seu crescimento profissional depende de indicações políticas, nos tais cargos de confiança. No outro modelo, teu crescimento depende apenas de tua inteligência, sagacidade e resultados. Essa comparação diz muita coisa. Portanto, vejo com melhores olhos o trabalho na iniciativa privada, por tudo que ela pode te proporcionar. E, veja, não sou do tipo que acha que todo funcionário público é vagabundo, até por que isso é mentira. Eu sou um deles e garanto que somos trabalhadores. Mas, por outro lado, é apenas na iniciativa privada que você não descansará, não buscarão emprego por acomodação. O emprego não é apenas o fim, mas o começo de uma nova pessoa. Somente na iniciativa privada que você conseguirá aflorar os seus instintos mais capitalistas, aqueles que proporcionarão sucesso profissional. Cristovam Ramos Neto

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Sobre a Profissão Contábil – Parte Dois:

Vamos avançar um pouco mais nessa questão referente à profissão contábil e sua importância dentro da empresa... Na verdade, falando de sua importância primordial para a empresa, acabaremos falando de sua importância dentro do sistema capitalista como um todo... E, mesmo sabendo que a Ciência Contábil é, no fundo, apenas uma matéria dentro das Ciências Econômicas, tenho plena certeza que, visando o bem estar e o pleno desenvolvimento de uma empresa o conhecimento Contábil, sendo bem desenvolvido e também bem utilizado, é muito mais importante que o conhecimento produzido pela Economia ou pela Administração. Já vou me explicando: se você está pensando em entender o mundo e as relações comerciais entre os países (questões que, no fundo, são o que determinam nosso futuro), ou ainda está buscando um maior entendimento sobre teorias Administrativas ( teorias essas que, no fundo, são apenas fórmulas científicas para dominar os empregados dentro da corporação)...bom, se você quer isso, desconsidere o primeiro parágrafo... Talvez você tenha até que desconsiderar o texto todo. Porém, se você quiser ler uma opinião acerca do dia a dia empresarial, daquilo que importa pra você, daquilo que, na verdade, é o dia a dia de administradores, economistas, contadores, daquilo que leva a entidade ao lucro... Continue nessa página. A Contabilidade, e todas as suas normas, regras, conceitos e práticas tradicionalmente aceitas, não passa de uma Bíblia para quem quer ter em mãos todas as informações necessárias para tomar decisões estratégicas sobre o futuro de sua companhia. Na minha visão, qualquer pessoa que domine essa ciência é alguém capaz de tomar decisões precisas. É capaz de tomar decisões coerentes com a missão da Entidade. Saber ler um Balanço Patrimonial e uma Demonstração do Resultado do Exercício, por exemplo. E isso é só pra ficar em exemplos populares de demonstrações contábeis, aqueles amontoados de números precisamente distribuídos que representam perfeitamente o momento da empresa. Essas demonstrações são, na verdade, fotografias do momento atual da firma. E cabe àqueles que tem conhecimento sólido em contabilidade não só saber,mas também interpretar essas demonstrações. E essas duas habilidades, no fundo, são apenas predicados fundamentais para qualquer profissional de médio para alto gabarito. Isso é tão verdadeiro que qualquer grande gerente financeiro (aquele cargo que, na prática, acaba sendo o que realmente manda na companhia) utiliza no seu dia a dia majoritariamente as ferramentas contábeis. Veja, não é uma questão de desmerecer as outras áreas administrativas... É apenas questão de reconhecer que uma leitura inteligente das demonstrações financeiras é capaz de proporcionar ferramentas imprescindíveis, informações valiosas e "aberturas de caminhos" para um futuro saudável (e lucrativo,claro) para a empresa. A análise temporal, seja vertical ou horizontal, não pode ser deixada de lado. É esse tipo de análise que mostra o comportamento das diversas varáveis componentes tanto do BP quanto da DRE, componentes essas que, vocês sabem, definem o tamanho do nosso lucro... Mas, além disso, também definem padrões comportamentais de setores da firma. De posse dessas informações, o tomador de decisões pode perfeitamente diagnosticar erros, vazamentos, custos anormais. E, claro, fazer projeções futuras (projeções futuras de orçamento, por exemplo, necessariamente tem que levar em conta o total da receita dos anos anteriores, além de dados como as próprias projeções para cada ano e tamanho do “erro”, ou seja, a diferença entre o projetado e o realizado). Portanto, esses são apenas alguns dados referentes à importância da Ciência Contábil na administração da Empresa. Eu vejo a Contabilidade não apenas como a alma da empresa, uma vez que se torna o verdadeiro caminho rumo ao lucro... Mas também a vejo, talvez exatamente por se tornar esse caminho para a companhia, a alma do próprio capitalismo. E,claro, você não precisa acreditar em mim, você pode achar que sou apenas um contador puxando a sardinha pro lado da minha profissão. Tudo bem. Mas, se você, pensar assim, eu apenas respondo esse pensamento seu com uma frase de um cidadão mais ou menos bem sucedido na vida... Reflita: “ Eu coloquei na minha cabeça que, para ser bem sucedido como empresário, eu deveria entender de Contabilidade”. Olavo Setúbal. Nada mais a acrescentar. Cristovam Ramos Neto

sábado, 23 de novembro de 2013

Sobre a Profissão Contábil – Parte Um:

Iniciamos aqui uma série de pequenos textos que, acreditamos, possa ajudar profissionais da área contábil... Espero que essas postagens, de alguma forma, se tornem úteis em suas carreiras,assim como serão utilíssimos os possíveis feedbacks de vocês. É algo que ainda me impressiona. Obviamente que em toda ciência, humana principalmente, há um conflito entre os novos e os antigos. Isso é normal e intelectualmente saudável. Porém, o que eu percebo nos escritórios contábeis em minha pequena cidade, é lastimável! Meus caros, a adjetivação do trabalho aqui feito é mais ou menos esse lado mesmo, o lado do quase obsceno: é triste, é lamentável ... E é daí para baixo! Vamos,como esse é apenas um pequeno texto (e e essa a idéia da série) abordar apenas um aspecto disse trabalho, por mim já devidamente qualificado, dos nossos estimados escritórios contábeis. Eles são cheios de funcionários dedicados,muitos que trabalham e estudam. Mas acabam não colocando em prática aquilo que aprendem! Vejam: Em meu último trabalho, no Banco do Povo Paulista, pedi para um provável cliente que ele me fornecesse um balanço da sua empresa. Para minha surpresa, ele disse que não tinha... E a coisa piora, já que o mesmo me disse que também sequer sabia do que se tratava! Tudo bem, a empresa dele era pequena... E você pode argumentar que ele não é obrigado a ter um balanço... Sim, eu concordo, isso é o que diz a lei brasileira,mas e o que diz a lei do mercado? A lei do mercado diz que qualquer empresa tende ao sucesso quando é bem administrada, não importa o mercado em que atua. E eu acredito firmemente que qualquer coisa pretensamente bem administrada significa que aqueles que estão em posição de comando tenham todas as informações possíveis a seu dispor...E a contabilidade é exatamente isso,não é? Uma fotografia do momento da empresa, que contém todas as informações necessárias para que os gestores tomem decisões adequadas. Bom,agora veja...Se o cidadão sequer sabia o que era um Balanço Patrimonial, o que dizer então sobre outras demonstrações, principalmente sobre a Demonstração do Resultado do Exercício? Bom, eu já imaginei o que ele falaria sobre a DRE... Portanto, já perguntei diretamente como ele sabia o lucro, como o contador dele fazia isso... E,mais uma vez, eu digo que a coisa piora! Ele me disse que o lucro dele era apurado por..extratos bancários!!!! Sério....o cara me explicou mais ou menos a coisa toda: ele tira um extrato bancário no começo do mês e depois tira outro extrato no final do mês... E, de posse desse extenso volume de informações, ele elabora uma complexa equação em que subtrai do saldo de sua conta no começo do mês o saldo do final do mês. Daí, tal qual um Jorge Lemann, ele faz sua empresa prosperar. Portanto,meus caros, isso tudo que escrito realmente aconteceu e acontece. É óbvio que eu não citaria nomes, não é meu propósito. Porém, eu tinha que escrever isso pois a idéia em questão no texto é a própria idéia do projeto, que é discutir o novo papel do contador no próprio capitalismo. E esse papel é, desde já defendemos, o papel de protagonista, seja dentro das empresas, seja no governo...Afinal, é ele quem possui as informações mais relevantes para a tomada de decisões. O contador não pode mais ser aquele sujeito que fica trancado numa salinha, usando um bonezinho com uma aba transparente... O contador deve assumir sua liderança no mercado e, para isso depende, também, da diminuição das distâncias entre o que é tradicionalmente feito e o que deve ser feito de novo. Nosso futuro profissional depende, quase que totalmente, do futuro da nossa ciência. Cristovam Ramos Neto

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

E quem está do lado de Jesus?

Hoje, confesso que vi uma matéria num programa que passa nas tardes da Rede Record... Entre outras pérolas, esse programa tem um quadro com o filósofo Celso Russomano, em que ela tenta resolver problemas de relacionamento entre clientes e fornecedores... Mas esse programas tem outros momentos... Um deles ele brinda o corajoso telespectador com matérias contundentes, realistas e totalmente necessárias ao nosso desenvolvimento intelectual. E hoje, justamente quando eu estava assistindo, o programa apresentou uma matéria com Mr. Catra! Sim meus caros! Mr. Catra! Ele mesmo! O funkeiro! O homem casado com três mulheres, que tem mais de 20 filhos e que escreve letras excepcionais, dignas de comparação com Chico Buarque, aquele que tem ritmos complexos tais quais Jorge Ben no seu período dourado! Bom, ironias a parte, a notícia da Record que me chamou a atenção foi a seguinte: o funkeiro em questão, mesmo sendo pai de mais de 20 pessoas, achou por bem adotar mais duas. Mas não são duas crianças em situação “normal”: são duas crianças, um menino de 3 anos e uma menina de 2, que são órfãs... E cuja mãe morreu vitima de AIDS. A mãe, infelizmente deixou esses dois pequenos a Deus dará. COM AIDS! E é isso mesmo: Mr. Catra, funkeiro, casado com 3 mulheres, pais de uma penca de crianças, achou por bem adotar aqueles dois meninos aidéticos. Agora, vamos para o outro lado da coisa. Nesse link aqui vocês verão uma matéria sobre os deputados ditos cristãos. Aliás, a maioria deles de julga líder evangélico. Mas também nesse meio há gente como o Jair Bolsonaro. Já viu né? Bom, em todo caso, vejam... Esses políticos estão aprovando uma lei que, na prática, isenta pastores e líderes religiosos em geral de atitudes preconceituosas. Ou seja, um pastor ou padre podem escorraçar um homossexual de seus templos apenas por essa pessoa ser homossexual. E mesmo com essa atitude, a polícia não poderá enquadrá – los no crime de preconceito. É sério gente, essa lei já está aprovada exatamente na Comissão de Direitos Humanos! Ora, por que cargas d’água eu citei o Mr. Catra e deputados “cristãos” num mesmo texto? É simples: porque eu vejo que o cristianismo está corrompido. Eu vejo o papa Francisco corretamente criticando seu rebanho ao dizer que eles devem evitar ser cristãos de vitrine. E essa crítica do Sumo Pontífice é tão contundente que atinge até uma denominação diversa a católica, que é a Protestante. Vejamos todos nós: Por tudo o que lemos ou ouvimos a respeito de Cristo... Por tudo o que soubemos a respeito de sua humildade e sua resignação...Por tudo o que lemos a respeito de sua bondade e humanidade... Vamos pensar... Que tipo de atitude Jesus Cristo apoiaria? A atitude de um funkeiro, um cara que toda a sociedade critica por seu estilo de vida... Mas que mesmo assim adotou 2 órfãos aidéticos... Ou será que Jesus apoiaria a atitude de pessoas milionárias, que fizeram essa fortuna conclamando o seu nome (o nome de um pobre que sempre pregou a pobreza como virtude), pessoas essas que se julgam bispos, pastores, profetas, quase deuses... Mas que mesmo assim esculacham e não querem saber de homossexuais, mesmo que esses louvem Cristo e se comportem da maneira mais cristã possível? Olha só, tentei comparar as duas situações da maneira mais isenta possível. Porém, tenho certeza que não consegui, ficando claro o meu lado. E por isso mesmo desafio os pseudos – cristãos: Me mostrem que eu estou errado. E se vocês me convencerem que esse seu deus está certo ao expulsar gays, mesmo que esses se comportem da maneira mais cristã possível... Eu terei o enorme prazer em me declarar em enfiar uma faca em meu coração.

sábado, 20 de abril de 2013

MUDAR A NOSSA VIDA PROFISSIONAL?

Mudar!

Mudar?

Isso!

Tem certeza?

É claro que tenho!

Sei não...

Faça isso!

Mas agora?

EXATAMENTE!!!!!



É aí que está a questão. Mudar? Por quê? Quando?  Essas três questões são essenciais sobre mudança. Na verdade, se você tem a resposta para cada uma delas, você sabe o que dizer perante a maioria dos seus problemas. Mas, como esse blog é apenas um grãozinho de areia, seremos humildes e tentaremos dar algumas boas respostas para essas três questões:
1-      MUDAR? Sim meu querido, mudar! A questão não é saber se você deve mudar, mas sim saber por que você não deve mudar! Mas veja bem... É óbvio que você deve analisar sua situação antes de cair no mundo. Poxa, de repente você é um cara casado, com filho e estabelecido na sua cidadezinha interiorana, trabalhando como funcionário público. Seria prudente largar tudo? CLARO QUE NÂO!!! Mas agora, se você é um cara solteiro, sem namorada nem filhos... VAI EMBORA DESSA VIDA!!!
2-      POR QUE? POR QUE SIM,ORA ESSA! Convenhamos: Você sabe que quer algo melhor pra si mesmo! Você sabe que não é interessante ficar parado na vida! Você sabe que é ridículo saber que daqui a cinco anos você estará no mesmo lugar, na mesma sala e com o mesmo salário!
3-      QUANDO? AGORA! Se você não tem perspectiva de crescimento no seu trabalho, comece a procurar algo novo! Pra que esperar? Vamos juntos, afinal se você simplesmente deixar as coisas acontecerem, as coisas não vão acontecer...
Sendo assim, vamos ser sinceros: precisamos de um feedback próprio! Se você não tem mais desafios em sua carreira atual, se você não tem nenhum trabalho que seja um pouco mais que apenas obrigação...pense bem. Pense na sua vida, pense no seu beu estar. Afinal, seus sonhos ainda existem, basta que você não desista deles! TENTE OUTRA VEZ!

  Cristovam

Vivaldi - Complete Cello Concertos (Ofra Harnoy)

Vivaldi - Complete Cello Concertos (Ofra Harnoy)

domingo, 14 de abril de 2013

O FEEDBACK É UM TAPA NA SUA CARA!





Eu já comentei em um Grupo de Discussões que o feedback que  temos no nosso trabalho é, essencialmente, idêntico a um daqueles check-ups que fazemos todos os anos com nosso médico de confiança, ou seja: é um retrato daquilo que erramos. Simples assim. Mas essa não é a questão principal... De fato, escutar um feedback significa pura e simplesmente isso: escutar. Ouvir um feedback é outra história.
O ser humano possui uma tendência egoísta, algo que lhe faz pensar... Ou melhor, algo que lhe faz agir de determinada maneira, que o obriga a descartar toda e qualquer opinião externa... principalmente se esta opinião é contrária ao seu pensamento, ao seu método... Ou seja, trazendo essa questão para os dias atuais, chegamos a seguinte conclusão: Escutar é fácil, ouvir é outra coisa...
E então, levando em conta esse fato advindo de nossa natureza mais ancestral, como podemos convencer alguém a realmente ouvir um feedback?
Não podemos! A única coisa que podemos fazer é ignorar nossos instintos mais primitivos e realmente procurar saber o que nossos colegas acham do nosso trabalho, o que nossos superiores acham do nosso trabalho...
Mas é exatamente essa a questão... Como podemos ter uma atitude humilde que nos leve a realmente ouvir e refletir sobre possíveis críticas de colegas ou mesmo do chefe? Quer mesmo saber a resposta? Então faça o seguinte: saia desse blog e vai meditar! Simples assim!
Tudo isso tem a ver com suas atitudes, sua maneira de pensar acerca de você mesmo com relação a todo o mundo que está ao seu redor. Acho um tanto óbvio o fato de que todos nós que nos preocupamos com nossa carreira já tenhamos lido toneladas de artigos sobre o feedback. Eu, mero mortal, duvido que posso lhe acrescentar algo a respeito da teoria... Mas se for pra acrescentar, vai ser isso: Pára de ler o que os outros escrevem e vá meditar sobre a sua vida!
Portanto, meu caro, sei que deve ser difícil... você começou lendo esse texto achando que teria mais um  monte de teoria sobre o feedback, e no final toma um tapa na cara... Mas acostume-se, a vida profissional é assim...de repente é até pior. Simplesmente saiba disso: teorias, artigos, e textos vão te ajudar, mas por mais que você os leia, eles nunca farão nada por você. Quem faz algo por você é você mesmo! Por isso mexa essa bunda gorda e trabalhe em prol de si mesmo!!!

The Best Of Verdi


sexta-feira, 5 de abril de 2013

PROBLEMAS DA ECONOMIA DO BRASIL - 3 - O PROBLEMA DA PREGUIÇA E MALANDRAGEM

A fila pode ser na Bahia, mas a preguiça é brasileira.



Eu não iria escrever hoje, mas acabei fazendo isso depois de ler uma matéria no mediano jornal “Agora SP”. Esse teto, que estava na seção policial, descrevia a prisão de um falso médico em Osasco, que ganhava a vida vendendo atestados médicos.  Até aí, mesmo tendo noção da gravidade do fato e do quão nocivo esse tipo de atividade pode ser, ainda assim não me abalei, uma vez que isso não estava muito fora da normalidade brasileira. Porém, o final da notícia realmente abalou meu sistema nervoso: o tal médico cobrava cerca de R$15,00 por consulta... E cada consulta dava ao paciente o “direito” de receber um atestado médico que lhe permitiria faltar alguns dias no trabalho. Mas, calma, o mais estarrecedor está por vir: O tal médico atendia cerca de 100 pessoas por dia! Ou seja, faturava cerca de R$1500,00/dia! Esquema sujo feito por pessoas sujas, porém, convenhamos, esses caras tem talento pra ganhar dinheiro...
Mas vamos lá: o exagero da coisa toda não se refere ao fato de esse vagabundo estar se travestindo de médico para vender atestados e ficando, assim, milionário. O que me choca é o fato de que ele faz isso para cerca de 100 PESSOAS POR DIA! Peraí, cerca de 100 pessoas vão todo dia nesse local pedir um atestado médico. Vamos lá, me ajudem a fazer alguns cálculos por aqui:

  • Vamos ser bem otimistas e imaginar que cada um desses 100 trabalhadores diários que vão procurar o falso médico peça apenas 3 dias de licença (ah, convenhamos, um sujeito não iria procurar esse tipo de “serviço”, que ele sabe muito bem se tratar de um crime, sujeito, entre outras coisas, a demissão por justa causa, para buscar apenas 1 dia de licença médica, né?);

  • Ou seja, temos então 100 pessoas por dia, vezes 22 dias úteis por mês... Isso nos dá 2200 pessoas a cada “mês útil”.

  • 2200 pessoas pedindo aqueles 3 dias de licença nos daria um total de 6600 dias de folga para todos esses “doentes”.

  • Vamos fazer outro cálculo simplificado: Segundo o IBGE, o salário médio do trabalhador brasileiro ficou na casa dos R$1728,40 no ano de 2012. Apenas para facilitar os cálculos, vamos apenas dividir esse valor por 30: veremos agora que o rendimento médio diário do trabalhador brasileiro é de R$57,61.

  • Pense: aqueles 6600 dias de folga que supomos serem pedidos para o falso médico são formas de deixar de trabalhar de forma remunerada. Ou seja, esses trabalhadores contribuem para a diminuição da produtividade em seus respectivos trabalhos sem abrir mão da remuneração. Sendo assim, essa movimentação se traduziria em cerca de R$380.226,00 por mês... Ou ainda: 6600 dias de folga pedidos por mês são 79.2000 perdidos no ano, com prejuízo para as empresas de R$4.562.712 em salários pagos para pessoas que literalmente boicotaram o trabalho.

E ainda estamos falando apenas da cidade de Osasco, na região metropolitana de São Paulo. E acredito que esse cidadão não seja o único a cometer esse tipo de delito por lá... Fizemos cálculos simples, apenas a título de esclarecimento do nosso ponto de vista.
Perceberam? Um sujeito apenas, um contraventor qualquer, pode ser capaz de trazer prejuízos para empresas diversas de mais de 4 milhões de reais num ano. E sendo esse um mercado tão rentável (pode-se lucrar mais de R$30.000,00 por mês), é óbvio que há uma gama muito grande de pessoas atuando aí. Mas, como discutimos a questão dos problemas brasileiros que afetam sua economia e seu posterior crescimento, o que nos assusta são esses dois problemas críticos:

  1. A quantidade de dinheiro que é pago por empresas para trabalhadores que absolutamente não produziram nada. E lembremos que fizemos apenas alguns cálculos simples baseados em fatos revelados acerca de apenas um contraventor! É evidente que esse valor de 4 milhões cresceria de forma exponencial se levássemos em conta a quantidade de contraventores atuantes no mercado hoje em dia mas, de qualquer maneira, ainda assim é preocupante demais termos em conta que a economia brasileira é tão lesada assim por apenas uma pessoa. Pense nas possibilidades: pense em reduções de custos, aumentos de produtividade, ganhos coletivos que a total inibição dessa prática não traria para a economia do país.
  2. Simples e direto: até quando haverá malandros preguiçosos fazendo isso? 
Cristovam Ramos Neto

The Best Of Vivaldi

2 horas somente da belíssima música do extraordinário Vivaldi!